quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Resposta ao DESAFIO DE DOMINGO — QUE DIA É HOJE?

Como muitos conseguiram desvendar, este domingo foi o Dia Mundial do Xadrez.

 A origem desta arte não é certa, pelo que há várias lendas a tentar explicá-la. Fiquei especialmente encantado com uma, que vos passo a contar:

  Numa província indiana de Taligana havia um poderoso rajá que perdeu o filho numa batalha. Desde então, o rajá entrou em constante depressão, não cuidando de si e do reino.

  Certo dia, ele foi visitado pelo sábio Lahur Sessa, que lhe apresentou um tabuleiro com 64 casas brancas e pretas intercaladas e com diversas peças que representavam tropas do exército, incluindo o próprio rajá: o Xadrez. O sacerdote explicou-lhe que o jogo daria conforto espiritual e cura para a depressão, o que, de facto, aconteceu.

  Agradecido, o rajá ofereceu uma recompensa a Sessa pela sua brilhante invenção: ele pediu somente um grão de trigo para a primeira casa do tabuleiro, dois para a segunda, quatro para a terceira, oito para a quarta e assim sucessivamente até a última casa. Surpreso com a modéstia do pedido, o rajá ordenou que fosse paga imediatamente a quantia de grãos que fora pedida.

  Após os cálculos, todavia, os sábios do rajá ficaram pasmados com o resultado que a quantidade de grãos atingiu, uma vez que toda a produção do reino durante 2.000 anos não seria suficiente para cobri-la. Impressionado com a inteligência do sacerdote, o rajá convidou-o para ser o principal vizir do reino, tendo, assim, a sua dívida perdoada.

Lendas do Xadrez
Resposta: Xadrez

terça-feira, 21 de novembro de 2017

UM CRIME NO EXPRESSO DO ORIENTE — A Opinião do Filme

Assassinato no Expresso Oriente
Título: Um Crime no Expresso do Oriente
Realizador: Kenneth Branagh
Lançamento: 9 de novembro de 2017
Trailer & Sinopse: Em anexo

Um Crime no Expresso do Oriente é, por definição, um filme de muito suspense e de alguma emoção.


  Já todos interagimos com os quebra-cabeças da Agatha Christie, quer nos filmes, quer nas séries, quer nos livros. Neste caso, acompanhamos Hercule Poirot, o detetive de maior renome mundial. Ao contrário da versão que eu conhecia dele, este é de cabelos grisalhos, de bigode ligeiramente descuidado e de alguns tiques que estranhei. Já vi a maioria da série dedicada a este detetive, todavia, ainda não adentrei no seu mundo literário, não sabendo qual das versões (a série ou o filme) é fidedigna às obras da escritora.

Crítica Um Crime no Expresso oriente

  O filme satisfez na medida em que tive interesse em desvendar a verdade escondida sobre o crime retratado. É certo que não é o melhor policial convertido em filme, principalmente devido à superficialidade das personagens. No entanto, aconselho-o para grupos de amigos: é um desafio saudável ver quem chega à verdade primeiro.
Poirot
"Todos são Suspeitos"
  Sem desvendar o final,  penso que podia ter um pouco mais de brio, nomeadamente a forma como Poirot reage. Tenho a certeza que o final do filme não segue o desfecho do livro.


Em poucas palavras, Um Crime no Expresso do Oriente é um policial razoável indicado para família e grupos de amigos que procurem um desafio à sua altura.


Sinopse


Década de 1930. Um grupo de pessoas de várias nacionalidades encontra-se a bordo do luxuoso Expresso do Oriente. A viagem é perturbada quando um financeiro norte-americano, que viajava de Istambul para Paris, é encontrado brutalmente assassinado. Por coincidência, o detective Hercule Poirot, cujos feitos lhe valeram fama internacional, encontra-se entre os passageiros. Apanhados no meio de uma tempestade de neve que obriga a uma paragem forçada do comboio, pedem a Poirot que use as suas excepcionais capacidades de dedução para encontrar o verdadeiro culpado. De uma coisa ninguém duvida: o assassino ainda está no Expresso do Oriente.

Trailer

domingo, 19 de novembro de 2017

sábado, 18 de novembro de 2017

Publicações da semana 4

Tivemos uma semana especialmente dedicada aos Filmes & Leituras, que podem aproveitar para encontrar prendas natalícias.


  •   Começámos com o nosso habitual DESAFIO DE DOMINGO. Desta vez, descobrimos que quase ninguém sabia como surgiu o Dia de São Martinho ( Resposta ao DESAFIO do São Martinho);
  •   No decorrer da semana, partilhámos a Opinião do filme das alterações climáticas: GEOSTORM e do título mais esperado de novembro: LIGA DA JUSTIÇA;
  •  Também houve leitura com fervura! Partilhámos a esperada recensão de ORIGEM o último bestseller do Dan Brown e de um livro que me pasmou pela qualidade: VERONIKA DECIDE MORRER de Paulo Coelho.


sexta-feira, 17 de novembro de 2017

LIGA DA JUSTIÇA — A Opinião do Filme

Justice League Review
Título: Liga da Justiça
Realizador: Zack Snyder
Lançamento: 16 de novembro de 2017
Trailer & Sinopse: Em anexo

A Liga da Justiça tem qualidade, um enredo satisfatório e um elenco que começa a consolidar.


 Já conhecíamos a Mulher-Maravilha, o Super-Homem, o Batman  e o Flash de filmes e séries anteriores. No entanto, pouco sabíamos do Cyborg e do Aquaman. Com este filme, fiquei satisfeito por isso mesmo: Pude conhecer uma boa parte do universo da DC (uma das maiores editoras de comics). 
Cenas pós-créditos da Liga da Justiça
  Tiro o chapéu à atriz da Mulher-Maravilha, Gal Gadot. No meu ponto de vista, foi a melhor do elenco, realizando cenas intensas e com humor. A sua personagem está muito bem desenvolvida.
  Por outro lado, desiludi-me com o Henry Cavill, o ator do Super-Homem. Representou de uma forma estranha, com sorrisos que não eram verdadeiros. Pareceu-me que este super-herói foi largado no filme só porque sim (embora isto já seja uma crítica para o roteiro).

  Os efeitos visuais são de apreciar, todavia, é escusada a sessão 3D. (Até sair da sala de cinema, não me lembrei que estava a ver uma sessão 3D). Relembro-vos para ficarem até ao final. O filme tem duas cenas pós-créditos.

  Caso vos perguntem, este filme tem semelhanças com a Marvel, nomeadamente na boa disposição e humor que as personagens adotaram (e ainda bem).


 Voltaremos a falar do universo da DC em breve, mal saia o filme do Aquaman (final de 2018).


Sinopse

  Constatando um aumento de violência e actos de terrorismo, Batman e Mulher-Maravilha unem-se a Flash, Aquaman e Ciborgue, e formam a Liga da Justiça, uma força sobre-humana cujo objectivo é proteger o planeta de eventuais ameaças. Quando se apercebem de que a Terra está a ser invadida pelo vilão Steppenwolf, líder das forças alienígenas de Darkseid, os super-heróis sabem que enfrentam um inimigo com poderes extraordinários. Para que a vitória seja possível, têm de confiar uns nos outros e manter-se unidos na causa que transformou Clark Kent em Super-Homem e que, há poucos meses, o fez sacrificar a própria vida…

Trailer

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

VERONIKA DECIDE MORRER — Obra de Mestre

Paulo Coelho
Título: Veronika Decide Morrer
Autora: Paulo Coelho
Sinopse: Em anexo
Lançamento: meados de 1998
Editora: Pergaminho

Esta segunda-feira aventurei-me pelas páginas do escritor brasileiro Paulo Coelho. Com este proeminente escritor, conheci três autores mundiais em três semanas: Stephen King (A Luz), Dan Brown (Origem) e Paulo Coelho (Veronika Decide Morrer), rigorosamente por esta ordem.


  Tanto a obra A Luz de Stephen King como a Origem de Dan Brown me desiludiram. São ambos livros dotados de uma escrita admirável, todavia, falta o mais importante: espontaneidade. Paulo Coelho ocupou esta lacuna, fazendo-o com uma escrita soberba.

Veronika Decide Morrer de Paulo Coelho
 Normalmente, gosto de saborear os livros e demorar uma, talvez duas, semanas a lê-los. Este ano, só tinha saído da rotina com 1 título, O Escaravelho da Morte, que li em escassas horas. Agora, tenho de reformular este número para 2. Veronika Decide Morrer é das melhores obras brasileiras que li. A sua história é tão bonita e tão simples, com personagens coesas e que vão amadurecendo connosco. São 242 páginas de filosofias que nos recordam que a loucura é somente o sal da vida.

Em contrapartida, tenho a apontar a previsibilidade do final que, embora belo, se aproxima do banal. Tinha a certeza de que o desfecho ia acabar de uma maneira e, mesmo assim, valeu a pena ler cada página até lá chegar.

Assim, partilho o reconhecimento que esta obra merece. Na minha perspetiva, Veronika Decide Morrer é euforia e sabedoria. 
Cabe-vos a vocês confirmar, ou não, a minha opinião. 

Sinopse

  No dia 11 de Novembro de 1997, Veronika decidiu que havia - afinal! - chegado o momento de se matar.» É assim que começa o romance de Paulo Coelho. Veronika é uma jovem eslovena que decide suicidar-se, cansada que está da vida que leva. Salva no último instante, dá entrada num hospital psiquiátrico. Aí conhece Zedka, internada por depressão, transformada à custa do tratamento numa "mulher louca" e feliz; Mari, advogada que integra o grupo A Fraternidade, organizador de palestras sobre a meditação sufi, e parte para a Bósnia em missão humanitária em busca de aventura; Eduard, um jovem belo e rico que se faz passar por esquizofrénico; e o Dr. Igor, o psiquiatra do hospital. O autor, que esteve em Portugal para o lançamento do livro, revelou ele próprio ter estado internado num hospital psiquiátrico, experiência que lhe valeu para a escrita desta obra sobre a loucura. E também sobre o amor e a sabedoria, as relações com os outros, atravessada pelo esoterismo.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

ORIGEM de Dan Brown — A Opinião da Obra

Título: Origem
Autora: Dan Brown
Sinopse: Em anexo
Lançamento: outubro de 2017
Editora: Bertrand Editora

Este é o título ideal para quem quer reviver/conhecer Barcelona. Dan Brown tem uma escrita bela e culta, embora tenha concebido um final previsível e que não corresponde às expectativas fomentadas pela introdução.


  Não costumo seguir as tendências, muito menos as literárias. Gosto de apoiar obras e mundos encorpados que ainda não tiveram espaço para brilhar. No entanto, abri uma exceção para o Dan Brown. Com todo o alvoroço que envolve este escritor de mistério, senti-me na obrigação de conhecer pelo menos um pouco dele. Por isso, adentrei na Origem.

Review of Origin written by Dan Brown
 As primeiras páginas são bombásticas! Foi pena as seguintes não terem mantido o ritmo. Dan Brown é conhecido pelas suas obras de suspense fora do comum. Já tinha tido um cheirinho dos seus truques com os filmes inspirados nos seus livros, e, talvez por isso e por já ter lido muitos thrillers, adivinhei tudo o que ia acontecer. No final, fiquei desiludido.

  Por outro lado, reconheço-lhe a qualidade literária. Ele tem uma escrita bonita e muito acessível. Para quem já conhece o seu universo literário, Robert Langdon, o professor de simbologia, volta a acompanhar-nos numa viagem alucinante. 

  O enredo de Origem passa-se em Barcelona que, coincidência ou não, foi a última cidade estrangeira que visitei. Adorei ler parágrafos e relembrar-me de como era cada maravilha que lconheci... Ah! Agora, sei que devia ter prestado mais atenção a alguns pormenores. A parte mais delicada e deliciosa da obra é, sem dúvida, o dilema do reinado espanhol.


Livro de Dan Brown Perde cor


 Tenho uma repreensão a fazer: 


NÃO ESTOU SATISFEITO COM A CAPA DO LIVRO


 Mais que uma boa apresentação, o livro tem de ter um título. Como tal, não podem escrever as letras com brilhantes e esperar... que cole!


 VEJAM SÓ:


Dan Brown publicou um livro interessante, embora não me tenha despertado curiosidade especial para continuar a ler a coleção.


Sinopse

Bilbau, Espanha.
Robert Langdon, professor de simbologia e iconologia religiosa da universidade de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbau para assistir a um grandioso anúncio: a revelação da descoberta que «mudará para sempre o rosto da ciência.» O anfitrião dessa noite é Edmond Kirsch, bilionário e futurista de quarenta e dois anos cujas espantosas invenções de alta tecnologia e audazes previsões fizeram dele uma figura de renome a nível global. 

Kirsch, um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, duas décadas atrás, está prestes a revelar um incrível avanço científico… que irá responder a duas das perguntas mais fundamentais da existência humana. No início da noite, Langdon e várias centenas de outros convidados ficam fascinados com a apresentação tão original de Kirsch, e Langdon percebe que o anúncio do amigo será muito mais controverso do que ele imaginava. Mas aquela noite tão meticulosamente orquestrada não tardará a transformar-se num caos e a preciosa descoberta do futurista pode muito bem estar em vias de se perder para sempre.

Em pleno turbilhão de emoções e em perigo iminente, Langdon tenta desesperadamente fugir de Bilbau. Tem ao seu lado Ambra Vidal, a elegante diretora do Guggenheim que trabalhou com Kirsch na organização daquele provocador evento. Juntos, fogem para Barcelona, com a perigosa missão de localizarem a palavra-passe que os ajudará a desvendar o segredo de Kirsch.

Percorrendo os escuros corredores de história oculta e religião extremista, Langdon e Vidal têm de fugir de um inimigo atormentado que parece tudo saber e que parece até de alguma forma relacionado com o Palácio Real de Espanha… e que fará qualquer coisa para silenciar para sempre Edmond Kirsch.

Numa viagem marcada pela arte moderna e por símbolos enigmáticos, Langdon e Vidal vão descobrindo as pistas que acabarão por conduzi-los à chocante descoberta de Kirsch… e a uma verdade que até então nos tem escapado e que nos deixará sem fôlego.